iG

Publicidade

Publicidade

06/05/2010 - 12:26

Creatina e cafeína

Compartilhe: Twitter

Olá, pessoal!

Sempre existiu e talvez sempre vá existir uma grande polêmica sobre o uso de suplementos. Existem os que usam e exaltam os benefícios, aqueles totalmente contra e muitos outros no meio do caminho, inclusive entre os profissionais da área.

Particularmente, sou adepto ao uso de alguns suplementos, mas sou contra o uso exagerado e sem critério. E aproveitando que a Anvisa liberou o uso de creatina e cafeína (apenas aos atletas profissionais), vamos falar sobre esses produtos.

A creatina é um suplemento que fornece extrato energético para uma fase muito específica do treino, aquela que vai mais ou menos de 10 a 12 segundos de contração. Isso significa que em treinos e provas como os 100 metros, os pontos disputados no Tênis ou as explosões características das lutas ela pode ser bem eficiente. Já para os treinos clássicos de musculação, nos quais as séries duram de 30 a 40 segundos, não faz muito sentido.

A cafeína é a substancia ativa do café e está presente em muitos termogênicos, que são suplementos para auxiliar a perda de peso e controlar o apetite. Seu uso é realemente eficiente, embora existam contra indicações para quem tem problemas cardíacos e de pressão alta ou para quem usa remédios para o sistema nervoso. Outro risco inerente ao seu uso é a possibilidade de desenvolver dependência, já que ela mexe com a transmissão de impulsos nervosos.

A melhor maneira de usar corretamente é consultar um nutricionista especializado em nutrição esportiva, descrever seu programa de treinamento e objetivos e discutir com ele sobre o uso.

Vale lembrar, como de costume, que não existe pílula mágica. Todo suplemento só funciona adequadamente se aliado à uma dieta programada, para turbinar um programa de treinamento seguido com assiduidade e empenho. Caso contrário, nem perca tempo e dinheiro com eles, pois será inútil.

Bjo

Autor: - Categoria(s): Corpo/Saúde, Dieta/Alimentação Tags: , , , , , , ,
30/10/2009 - 10:42

Termogênicos e o "pique" para treinar

Compartilhe: Twitter

Toni Braxton Olá, pessoal!

Mais uma vez, obrigado pela participação e pelos comentários! Para mostrar que gosto de verdade quando vocês participam, vou escrever um post sobre um assunto pedido várias vezes nos últimos posts. Vale um lembrete: só discurso não resolve nada, o que vale é atitude. Vamos lá!

Hoje falo sobre os termogênicos, produtos que têm como objetivo principal ajudar no emagrecimento e dar mais “pique” para treinar. Existem vários no mercado, mas não vou citar marcas, apenas explicar o funcionamento e as diferenças.

Os termogênicos também são conhecidos como “fat burners“, ou queimadores de gordura. O principio ativo é composto por substâncias adrenérgicas, que liberam adrenalina, provocando aceleração nos batimentos cardíacos, mais disposição para atividades físicas e mentais e, como conseqüência, um pequeno aumento da temperatura corporal. Esta é a chave do efeito.

Como o corpo humano é uma máquina que trabalha com um sistema interno de controle da temperatura que mantém 36,5ºC em média, qualquer mudança obriga o sistema a trabalhar para tentar ajustar a temperatura de volta a esse valor, usando a gordura como energia para a realização dessa tarefa. Daí o nome “fat burner”.

Existem basicamente dois tipos de termogênicos, os que contêm e os que não contêm efedrina.

Os produtos com efedrina são mais eficientes, mas essa substância está proibida no Brasil e na maioria dos estados norte-americanos, pois seus efeitos colaterais, entre eles a possibilidade de um ataque cardíaco, são arriscados demais.

Além disso, jovens estavam usando quantidades altíssimas para ir a baladas, já que o produto mascara o efeito relaxante do álcool, o que deixa as pessoas alcoolizadas sem que elas sintam que isso está acontecendo. O resultado é que os jovens ficam bastante embriagados, com os efeitos inerentes ao uso excessivo de bebidas alcoólicas, mas não tem o freio do relaxamento.

Já os produtos que não têm efedrina usam uma combinação básica de cafeína e sinefrina, que tem efeito similar à efedrina, embora numa intensidade muito menor e menos arriscada. Os norte-americanos chegaram a chamar a sinefrina de “neuro brain booster”, algo como “acelerador cerebral”, e passaram a usá-lo até para melhorar a performance em reuniões de trabalho.

Os produtos sem efedrina podem ser usados para ajudar no emagrecimento, desde que se respeitem alguma regras:

- Pessoas com problemas cardíacos ou pressão alta, como é o caso da cantora Toni Braxton (foto), devem ficar longe desses produtos e usar alternativas para manter a forma;

- Pessoas que usam remédios para o sistema nervoso não devem usar sem consultar seu médico;

- O uso correto é uma dose pela manhã, em jejum (aguardar mais 15 minutos antes de comer) e possivelmente uma segunda dose no meio da tarde, três horas após o almoço e, no mínimo, 15 minutos antes da próxima ingestão de alimentos;

- Para prevenir que seu corpo não vicie nos efeitos da adrenalina e fique prostrado quando parar de usar, siga as doses recomendadas por quatro dias e pare por três dias seguidos;

- O produto deve ser ingerido com um copo grande de água;

- Evitar radicalmente o consumo de mais do que uma dose de álcool nos dias em que estiver usando o produto.

Lembrem-se sempre que não há mágica, de nada adianta essa ajuda para emagrecer e treinar se comem para engordar! O efeito termogênico existe com ou sem exercícios, mas é claro que seguir um programa de treinamento deixa o efeito mais rápido e muito mais saudável.

E emagrecimento sem musculação faz o metabolismo ficar mais lento em longo prazo, além de causar flacidez.

Ressaltando: antes de ingerir medicamento, CONSULTE UM MÉDICO.

Continuem enviando seus assuntos preferidos e dúvidas.

Bjo

Autor: - Categoria(s): Corpo/Saúde Tags: , , , , , , , ,
Voltar ao topo